segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Com mais de 4 séculos de história Jaboatão dos Guararapes não possui nenhum museu

 Por James Davidson


Em 2017 tive a feliz oportunidade de ser o curador da Exposição "A pátria nasceu aqui" realizada pelo Shopping Guararapes. Na ocasião corri atrás de artefatos e objetos que pudessem retratar a história do Jaboatão e elaboramos textos educativos sobre o município. Ficou claro a necessidade do município do Jaboatão de ter um museu histórico municipal. Lamentável que uma cidade com quase 1 milhão de habitantes, a segunda maior do estado, com 4 séculos de história, berço da Restauração Pernambucana não tenha um único espaço próprio para preservação de sua memória. Enquanto Recife e outras cidades menores como Bezerros e Caruaru tem seus museus municipais, Jaboatão segue como uma cidade sem memória nem passado pra guardar. O local ideal para um museu em Jaboatão seria a antiga Estação Ferroviária, em Jaboatão Centro. Todavia para isso seria necessário a sua recuperação física, o que requer tempo e principalmente recursos. Outro local possível seria numa das antigas casas de Muribeca dos Guararapes ou nos Montes Guararapes. O espaço superior do Memorial Miguel Arraes também seria uma possibilidade. A luta pelo Museu Histórico do Jaboatão é uma de nossas pautas!





sábado, 14 de novembro de 2020

História do Engenho Suassuna

 Por James Davidson


No último dia 31 de outubro tive a oportunidade de voltar à sede do antigo Engenho Suassuna, Usina Jaboatão, rever o estado da primitiva Casa-grande. Acompanhado de César Ramos, Marcelo Vieira, Isaac Luz, Marvim Gabriel e Lucas Ferreira. Na ocasião tive a oportunidade de gravar espontaneamente um vídeo sobre a história do Engenho Suassuna. Apesar dos lapsos de memória (estava com fome) segue abaixo para a apreciação do seguidor dessa página:




quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Os 15 maiores problemas de Jaboatão

 Por James Davidson




Aproveitando que estamos no período eleitoral, e como profundo conhecedor do Jaboatão dos Guararapes, seus diversos bairros e comunidades, sua história e sua paisagem, seus problemas e dificuldades, decidi fazer uma matéria sobre os principais problemas do município. Os problemas a serem listados a seguir não estão obedecendo a nenhuma ordem hierárquica, ou seja, o primeiro não quer dizer que seja mais importante que o décimo. Também não são os únicos problemas existentes no município. Todavia são aqueles que de acordo com minha experiência estão entre os mais importantes.
Como não é do meu feitio apenas apresentar os problemas, aproveito a oportunidade para sugerir intervenções a fim de solucioná-los ou, ao menos, amenizá-los.


1 - Integração Viária- Jaboatão dos Guararapes é conhecido como município da Integração Nacional. Isso é devido ao fato da vitória contra os holandeses ter permitido a integração do Nordeste ao restante do país. Apesar disso, o território do município é bem pouco integrado entre si, havendo poucas vias de acesso entre os diversos distritos ou regionais - Prazeres, Centro, Praias, Curado, Cavaleiro, Muribeca e Guararapes. Basta uma olhada simples num mapa do município que se verá a dificuldade de ir, por exemplo, dos Curados até Prazeres (muitas vezes tendo de sair de Jaboatão para poder fazer esse percurso. A verdade é que Jaboatão é muito mal integrado e isso tem favorecido o sentimento de fragmentação identitária e política do território. 
Entretanto, é possível perceber no mapa algumas possíveis intervenções que ajudariam a diminuir esse problema. Por exemplo, o acesso direto de Cavaleiro para Prazeres poderia ser muito melhor se houvesse uma comunicação entre a Avenida Manuel Carneiro Leão, em Dois Carneiros, até o bairro de Marcus Freire (contíguo a Dois Carneiros sendo separado apenas pela linha férrea), evitando assim o complicado e enladeirado caminho usado atualmente (que passa pelo Loteamento Grande Recife, Monte Verde e URs). Dessa maneira, de Marcus Freire já seria possível chegar ao Eixo de Integração de forma bem mais rápida.
A Rodovia Eixo de Integração foi construída na época de Geraldo Melo, em 1979, sendo um grande facilitador do acesso entre Jaboatão Centro e Prazeres, anteriormente sendo feito apenas pela BR 101. Atualmente, além dos frequentes abandonos por parte das autoridades (que deixam essa rodovia na escuridão noturna, sem falar nos buracos), o Eixo de Integração já deveria ter sido duplicado há muito tempo, tendo em vista o fluxo de veículos crescente e o espaço disponível para isso. Todavia, a falta de articulação política, de interesse e as disputas entre Estado e Município somente vem atrapalhando a situação dessa rodovia.
Ainda sobre o Eixo de Integração, é incrível notar num mapa do município como a ausência de alguns ramais tornam certos caminhos mais difíceis. Por exemplo, uma pequena ponte sobre um canal daria acesso aos moradores da UR 11 e UR 06 ao Eixo de Integração, via Marcus Freire. O motorista que vindo de Jaboatão Centro demandasse o Cabo poderia ter reduzido 10 km de percurso se a Estrada que parte detrás da sede da Regional de Muribeca pudesse prosseguir até o bairro de Comportas, bastando para isso a reconstrução da Ponte do Engenho São Bartolomeu. São coisas que ficam visíveis apenas observando o mapa do município.
Isso sem contar com duplicação da Estrada de Curcuranas e da rodovia ligando a Br 101 ao bairro de Piedade (passando por dentro de Cajueiro Seco). Tudo isso demanda, além de conhecimento e recursos, claro, vontade política.

2 - Saneamento - O saneamento básico é de longe um dos maiores problemas do município. Jaboatão dos Guararapes está em 94° lugar em saneamento básico do país, considerando as 100 maiores cidades. Portanto, entre as grandes cidades, Jaboatão está entre as 10 com pior saneamento. Não é difícil constatar isso quando se visita as localidades mais carentes da cidade. As consequências disso são o despejo do esgotamento sanitário direto nos cursos d'água - Rios Jaboatão, Tejipió, Duas Unas, Jordão, Lagoa Olho D'água e seus afluentes - resultando em doenças para a população. A Lagoa Olho D'água é, por exemplo, um dos maiores focos de esquistossomose do Estado de Pernambuco, pois é o destino final de todos os resíduos da região das praias e do extenso distrito de Prazeres.
Nesse caso não existe solução a não ser essa: um pesado investimento em estações de tratamento de esgoto pelo município. Infelizmente, ao contrário de outras obras, essa pauta não dá a visibilidade política que deveria junto à população, daí que os gestores preferem ignorar o problema que, no final vai se tornando cada vez mais grave.

3 - Patrimônio Histórico - Como não poderíamos deixar de destacar aqui, a Cidade do Jaboatão dos Guararapes tem um longo histórico de descaso com seu Patrimônio Histórico Cultural. Como já foi divulgado aqui neste site várias vezes, o Patrimônio de Jaboatão agoniza. A antiga Estação Ferroviária de Jaboatão Centro, fundada em 1885, berço do desenvolvimento da cidade, sucumbe ao tempo diante de todos que passam pelo terminal de ônibus. Se um prédio histórico dessa envergadura, localizado no centro da cidade, sofre ignorado pelas autoridades, que falar daqueles localizados em locais mais afastados - como os Engenhos Novo da Muribeca, Suassuna (antiga Usina Jaboatão), Duas Unas, Penanduba, etc. Falta uma política concreta de preservação do patrimônio que busque revitalizar esses bens, dando um uso social e cultural aos edifícios a fim de evitar a destruição de nossa memória.
Para solucionar esse problema, antes de mais nada, seria necessário que os gestores tivessem pelos menos o interesse em conhecer a História do Jaboatão. Como não conhecem, ou conhecem pouco, ignoram a presença de valiosos bens culturais em nosso município. O Engenho Suassuna foi o berço das Revoluções Pernambucanas de 1817 e de 1824. A Casa da "Tia Amélia" da música de Robertos Carlos está caindo aos pedaços. Enquanto isso, municípios como Moreno, com menos recursos que Jaboatão, conseguiu recuperar a antiga Estação Ferroviária, utilizando para isso recursos próprios. É uma vergonha que um município tão grande como Jaboatão não consiga fazer o mínimo!

A casa-grande do Engenho Duas Unas jaz em ruínas, tendo outros sido residência dos escritores Maximiano Campos e Renato Carneiro Campos.


4 - Meio Ambiente - A falta de saneamento tem repercussão direta sobre o meio ambiente. Em Jaboatão Centro os rios Jaboatão, Duas Unas e Manassu estão em precário estado de degradação, onde o lixo e o esgoto a céu aberto deixam a água escura e com um odor característico. A fauna sobrevive de forma valente no rio Duas Unas, apesar da intensa poluição que esse rio recebe, não somente residencial mas também industrial. Outro grave problema é o desmatamento. As áreas de mangue estão cada vez mais reduzidas na zona estuarina do Rio Jaboatão, em Barra de Jangadas, enquanto as Reservas de Manassu, Jangadinha e Mussaíba sofrem com invasões e pressão dos bairros vizinhos - Santo Aleixo, Socorro, Cavaleiro e Curados. Da Reserva de Salgadinho, na zona rural de Muribeca, somente restam fragmentos. A Lagoa Olho D'água seria um dos principais cartões-postais do município se não fosse o esgoto e a degradação ambiental que sofre esse importante ecossistema.
Jaboatão precisa efetivar várias ações em defesa do Meio Ambiente. Além de um projeto de Educação Ambiental que não fique restrito aos muros escolares, bem como a criação de estações de tratamento de esgoto (já citadas) faz-se necessário fortalecer as ações da Guarda Ambiental - Gama. Jaboatão poderia também criar algumas reservas a nível municipal, para salvaguardar algumas áreas de especial interesse ambiental. Entre essas podemos citar a Lagoa Olho D'água, o Aningal do Rio Jaboatão (localizado em Comportas onde existe jacaré de papo-amarelo), as cachoeiras de Muribeca (já sujeitas a invasões), o Morro da Macambira, Pedra da Onça (Engenho Rico, onde existem várias grutas naturais), Pedra da Baleia e as Grutas de Megaípe (essas já ameaçadas pela atividade mineradora).

Jacarés, Cágados, Capivaras podem ainda ser vistos nos rios Jaboatão e Duas Unas Foto: Pescador Soares


5 - Lazer - Outro grave problema de Jaboatão é a falta de áreas de lazer. Jaboatão não possui praticamente academias da cidade nem parques urbanos. Praças públicas são raras na cidade (exceto no Centro), principalmente em Prazeres e nos bairros mais novos. A atual gestão iniciou a construção de dois novos parques - em Prazeres junto a BR 101, e em Jaboatão Centro, no antigo Estádio Jefferson de Freitas - ações válidas, mas ainda tímidas diante da necessidade do município. A população dos Curados reivindica há anos a construção de um parque na área, notadamente no terreno ocioso pertencente a União entre as BRs 232 e 408. Muitos bairros não contam nem sequer com uma única praça e regionais como Cavaleiro, Centro, Curados, Muribeca, Guararapes e Prazeres são bastante carentes em áreas de lazer.
A Regional de Muribeca conta ainda com vários espaços ociosos onde deveriam ser construídos parques públicos e academias da cidade, antes que a expansão urbana acabe de ocupar por completo a área ao longo do Eixo de Integração. Em Jaboatão Centro, as áreas do antigo Engenho Duas Unas (onde a população já faz cooper na chamada "Entrada da Coca-cola"), o Campo da Bulhões, da Macaxeira, da Vila Newton Carneiro em Vila Piedade, entre outras, poderiam ser melhor estruturados como parques, com pistas de cooper, playground, quadras e academias. A área da Moenda de Bronze, constantemente açoitada pelas cheias do Rio Jaboatão, poderiam também ser revitalizada nesse sentido.

6 - Saúde - Uma das áreas em que a população de Jaboatão mais sofre é com certeza a área da saúde. A falta de médicos e de remédios nos postos de saúde tem sido uma constante diária na vida da população jaboatonense, notadamente da mais carente. Que adianta a construção de novos postos se os que existem não oferecem o mínimo de serviços médicos, odontológicos e de enfermagem? Além disso, Jaboatão reivindica há anos a entrega da Maternidade Rita Barradas, demolida em 1996 por Newton Carneiro, iniciada sua reconstrução durante a gestão de Elias Gomes e atualmente ainda não concluída. A UPA de Jaboatão Centro vive lotada e não dá conta da demanda por atendimento na localidade.
De início o mais urgente seria revitalizar os postos de saúde existentes, trazendo de volta os médicos e dentistas para o atendimento da população. Um programa de farmácia popular para oferecer medicamentos a baixo custo também seria interessante, mas o importante mesmo seria que a população mais carente voltasse a ter acesso aos remédios oferecidos gratuitamente nos postos. Além disso, a construção de UPAs municipais em algumas regionais ajudaria a melhorar o atendimento médico de alguns bairros. Por exemplo, uma UPA localizada no início do Eixo de Integração, em Muribeca, já seria um grande avanço para os moradores daquela regional e das vizinhas.
Outra necessidade é a construção de novos hospitais. Como a UPA de Jaboatão Centro não atende a demanda, um hospital municipal na região seria bastante oportuno. Jaboatão também poderia construir hospitais voltados para públicos específicos, como fez o Recife, tendo um Hospital da Mulher, Hospital do Idoso, Centro de Saúde do Homem, etc. A construção recente de uma unidade para atendimento veterinário em Massaranduba é uma iniciativa que merece ser reconhecida.



7 - Educação - Jaboatão teve nessa última década até alguns avanços importantes em relação ao IDEB, chegando mesmo a superar a Cidade do Recife em alguns anos. Todavia, persistem alguns problemas que não podem ser ignorados. Algumas escolas sofrem com problemas de infraestrutura. Conhecido mesmo é o caso da Escola Estelita Maria Mendes, em Muribeca, onde os professores tem que se deslocar diariamente entre dois prédios distintos. Os professores da rede municipal de Jaboatão também têm sofrido com a perda salarial ao longo dos anos, já que o município não tem dado o aumento salarial correspondente nos últimos anos, a tal ponto de já estar havendo uma perda relativa se comparado ao piso nacional. Sem falar na necessidade de um maior número de creches e da estrutura física de algumas escolas.
A solução nesse caso é simplesmente cumprir a Lei Nacional do Piso, recuperar a estrutura física das escolas, construir novas creches nos locais onde há maior demanda. Também seria interessante a construção de um centro de formação para professores em prédio próprio, com melhores acomodações para essa atividade.


8 - Segurança Pública - A segurança pública é responsabilidade principalmente do governo estadual. Isso não isenta o município, porém de efetivar algumas ações que visem a prevenção e a diminuição dos índices de criminalidade. Entre essas ações estão o monitoramento das principais vias, praças e locais públicos do município através de câmeras de vigilância. A Guarda Municipal deveria ser melhor estruturada devendo ter um maior número de postos fixos em locais estratégicos como praças, escolas e outros equipamentos públicos do município. Nossas praças têm se tornado ponto de venda e distribuição de drogas a céu aberto, durante o dia, à vista de todos, principalmente pela falta de monitoramento e policiamento. Muitas escolas já foram roubadas também pela falta de vigilância e de guardas municipais para fazer a segurança durante a noite. O Eixo de Integração da Muribeca tem sido alvo constante de assaltos durante a noite pela falta de iluminação pública, problema presente também em outros lugares. Sem falar das delegacias que funcionam em horário limitado, estando quase sempre fechadas no horário noturno e durante os finais de semana, justamente quando acontecem mais crimes.

9 - Cultura - A Cidade do Jaboatão foi historicamente um celeiro cultural onde vários artistas, poetas, músicos e outros atores culturais iniciaram a sua carreira e fizeram história. Infelizmente a maioria dos nomes artísticos de Jaboatão permanecem como grandes desconhecidos entre a própria população, pela falta de reconhecimento dos gestores da cidade em valorizar seus próprios artistas. Nomes como Benedito Cunha Melo, Simião Martiniano, Francisca Isidora, Amelia Brandão (A Tia Amélia da televisão), Alberto Cunha melo, Frei Jaboatão, Natividade Saldanha, Poeta José Gomes, entre outros, deveriam ser homenageados através de esculturas espalhadas pela cidade, à semelhança ao que outras cidades já fizeram. Além disso, os artistas do presente tem que praticar sua arte em outros municípios, porque não encontram em Jaboatão o apoio, o incentivo e o reconhecimento necessário que os valorize. Faltam programas públicos de incentivo a cultura com editais e projetos culturais dentro da cidade, levando a cultura popular de Jaboatão ao alcance de seus próprios moradores. Gastam-se milhões com shows de artistas de fora enquanto o artista local é esquecido. 
Apesar dos 4 séculos de história do município de Jaboatão, a cidade não possui um único museu que seja patrocinado pelo município. É um dever da prefeitura preservar a história da cidade e salvaguadar a memória histórica de Jaboatão para as futuras gerações. Tive a oportunidade de propor isso ao atual gestor, durante a abertura da Exposição "A Pátria nasceu Aqui", em 2017, no Shopping Guararapes, sendo todavia completamente ignorado. A Antiga Estação Ferroviária, caso recuperada, seria o local ideal para o Museu Histórico do Jaboatão dos Guararapes, tendo sido sugerido também o Espaço Memorial Miguel Arraes e os Montes Guararapes.



10 - Emprego e Renda - Sabemos que o problema do desemprego em Jaboatão é de escala nacional, fruto da crise política e econômica que se instalou no país, desde 2013. Todavia, algumas ações de caráter local poderiam ser feitas a fim de incentivar o crescimento econômico e a geração de renda. A capacitação profissional é um dos caminhos levando aos trabalhadores mais vulneráveis maiores possibilidades de encontrar um emprego. Outro caminho é o preparo e a capacitação dos trabalhadores ambulantes e autônomos, bem como um programa de geração de crédito popular para novos empreendedores. A revitalização e ampliação dos mercados públicos de Cavaleiro e de Jaboatão Centro, bem como a criação de novos mercados no Curado, em Cajueiro Seco e mesmo em Muribeca poderia ser uma nova fonte de emprego e renda para a população.



11- Trânsito - Os moradores do Jaboatão sofrem todos os dias com os constantes engarrafamentos que geram transtorno e stress para a população já nas primeiras horas da manhã. Sabe-se que existem alguns "gargalos" na cidade, ou seja, trechos que são bastante problemáticos, justamente porque o motorista não tem muitas alternativas a não ser seguir por aquele caminho. Sem sombra de dúvida o trecho mais problemático é a chamada "Entrada de Cavaleiro", onde todos os dias, a qualquer horário, inclusive nos finais de semana, filas e filas de carros se acumulam, pois não comporta a demanda de veículos que passam por ali. O problema é antigo e nenhuma solução foi tomada por parte da prefeitura até o momento. A saída do Eixo de Integração da Muribeca para a BR 101 é outra aflição para o motorista que tenta seguir para Prazeres, pois o fluxo de caminhões pesados no local atrapalha bastante a saída dos veículos comuns. Em Jaboatão Centro nos horários de pico os veículos se acumulam além da UPA de Engenho Velho, gerando transtorno na ida e na volta para o trabalho.
Algumas intervenções são urgentemente necessárias nessas regiões. Uma delas seria a abertura de uma entrada exclusiva para caminhões na saída do Eixo de Integração, bem como a duplicação dessa rodovia já atrás mencionada. Na entrada de Cavaleiro o problema é mais complexo, sendo a construção de um viaduto uma solução possível. No caso de Jaboatão Centro, seriam necessárias várias intervenções, como o alargamento da Ponte da Estrada da Luz (após o Senai), a extensão do binário até Engenho Velho e a construção de uma paralela da Estrada da Luz, que partindo da antiga Usina Bulhões alcançasse a BR 232 pela várzea do Duas Unas (daí a sugestão de Marginal Duas Unas para essa estrada), desafogando a antiga Estrada da Luz e livrando-a do trânsito de veículos pesados (que poderia ser feito pela nova estrada). Uma nova ponte para a Vila Rica pela Usina Bulhões seria necessário para desafogar a tradicional entrada de acesso para aquele bairro. 

12 - Turismo - Por fim Jaboatão dos Guararapes possui um potencial enorme para o Turismo, não somente de lazer, mas também Histórico, Cultural, de Aventura, Rural, de Negócios, etc. Entretanto, o turista que visita a cidade se quer sabe que está na verdade em Jaboatão, pois os roteiros que são realizados pelas agências vendem Olinda, Recife e Porto de Galinhas como os principais atrativos turísticos do estado. Lugares como a Colônia dos Padres e a Lagoa Azul não são incluído pelo Trade, enquanto outros locais necessitariam de apenas algumas intervenções para se tornarem atrativos turísticos mais importantes como os Montes Guararapes, o Povoado de Muribeca, o Engenho Santana, etc.



13 - Transporte Público - Jaboatão carece de um bom serviço de transporte público. Os ônibus são precários e demoram grandes intervalos entre as viagens, causando transtorno para quem necessita deles. O transporte alternativo também deixa a desejar, principalmente no horário noturno, quando algumas linhas não funcionam. Jaboatão precisaria de mais linhas de ônibus, como por exemplo, uma linha que partindo do Centro fosse até a Conde da Boa Vista pela BR 232 e Abdias de Carvalho, dando aos moradores do Centro mais uma opção de chegar ao Centro do Recife além do metrô. Além disso, algumas estações do metrô da cidade estão em precário estado, como a Estação Engenho Velho, onde nem coberta há para proteger da chuva os passageiros!

14 - Enchentes e Alagamentos - Um dos mais graves problemas enfrentados pelos moradores de Jaboatão são as enchentes e os alagamentos. Em alguns bairros e regiões do município as menores chuvas são responsáveis por enormes transtornos para a população, provocando enchentes e inundações. Em alguns casos as ruas ficam inundadas por semanas sem secar. Conhecidos são os casos de algumas comunidades que alagam todos os anos - Beira Rio, em Santo Aleixo; Moenda de Bronze, em Jaboatão Centro; Coqueiral, em Cavaleiro; parte do bairro de Marcus Freire; várias comunidades ao redor da Lagoa Olho D'água, etc. Além de causarem transtornos e perdas de bens materiais, as enchentes ocasionam também a disseminação de doenças, como a leptospirose, sendo assim também um problema de saúde pública.
    A solução para esses problemas não é fácil, envolvendo também a questão do planejamento urbano, ambiental e o problema da habitação. Algumas áreas inundáveis, como margens de rios, não requerem outra solução a não ser a desocupação das margens e a recuperação da mata ciliar, evitando o despejo de resíduos e o assoreamento. Alguns rios e canais estão tão assoreados que somente um estudo de impacto ambiental com especialistas vai poder dizer se a dragagem ou a canalização seria a melhor alternativa. Nada disso será possível, porém, sem trabalhar a questão urbana, habitacional e ambiental dentro de um mesmo planejamento.

15 - Habitação - Um dos problemas mais importantes e pouco discutidos na cidade é a questão da habitação. Jaboatão carece de um programa de habitação popular para contornar o problema das invasões e falta de moradia da população carente. Muitos ocupam as margens dos rios e lagoas, causando problemas ao meio ambiente e ficando sujeito à enchentes, pela falta de alternativas de moradia dentro do município. Em áreas mais esquecidas do município, como ao redor da Lagoa Olho D'água, a população ainda vive em precárias palafitas sobre a lagoa, em condições de extrema pobreza e miséria. Como estão longe das principais avenidas de Piedade e de Candeias, dos olhares da imprensa e da mídia recifense, essas comunidades permanecem ignoradas pelo poder público, que pouco caso faz pra melhorar sua existência.

Muita coisa mais poderia ser discutida aqui, e nenhuma solução deve ser implementada sem as pessoas diretamente envolvidas: os moradores das comunidades. Jaboatão tem muitos problemas, mas deixo aqui a deixa que não existem soluções mágicas nem milagrosas. Tudo se consegue com muita dificuldade, com muito esforço, trabalho, diálogo e dedicação, e Fé genuína em Deus. Mas nada se consegue quando não há a mínima vontade de realizar!

quarta-feira, 3 de junho de 2020

15 anos da cheia de 2005

Por James Davidson

Rio Jaboatão Fonte: Climatempo

No dia 02 de junho de 2020 completam 15 anos de uma das maiores tragédias que atingiram o Centro de Jaboatão e de Moreno. Na tarde de 02 de junho de 2005 as chuvas torrenciais que atingiram a região fizeram o rio Jaboatão transbordar. As águas subiram rapidamente alcançando cerca de 15 metros acima do normal. Centenas de casas foram arrastadas pelas águas em Moreno e nos bairros da Vila Rica, Moenda de Bronze, Centro, Engenho Velho e Socorro em Jaboatão. Milhares de pessoas ficaram desabrigadas, sendo refugiadas em escolas e espaços públicos.


Em Moreno as águas do rio Jaboatão ultrapassaram o nível da Ponte Santa Maria, inundando o ABC, o Centro e a Avenida Dr. Sofrônio Portela. Dezenas de casas localizadas ás margens do rio foram destruídas nos bairros do Matadouro e N.s da Conceição, que também foram atingidos, assim como o bairro de Tamboatá. Centenas de famílias ficaram desabrigadas, sendo alocadas para escolas e outros espaços públicos.


Em Jaboatão as águas inundaram o pátio da feira, lojas comerciais e a Avenida Barão de Lucena. Dezenas de comerciantes perderam seus estabelecimentos enquanto muitos moradores da comunidade de Moenda de Bronze perdiam suas casas. As águas chegaram a ultrapassar o nível da Ponte da Vila Rica, que acabou ficando danificada com a força da corrente. Um morador chegou a morrer sendo arrastado pelas águas ao tentar salvar um botijão de gás.

O governo federal na época mandou uma ajuda de apenas 500 mil reais. Igrejas, associações de bairro e outras instituições similares realizaram uma grande mobilização para arrecadar roupas e suprimentos para os desabrigados. Destaque para a IBCJ (Igreja Batista Central do Jaboatão, sob o comando do Pastor Davi Farias) que realizou uma grande operação, ajudando centenas de necessitados. A ajuda também veio do pentacampeão Rivaldo e do governo da Holanda que ajudaram na construção de casas em Moreno para os desabrigados, na época do prefeito Edvard Bernardo, vindo daí a fundação da Vila Holandesa. Enquanto a prefeitura de Moreno ajudou na construção dessas casas, a prefeitura de Jaboatão, na época sob a gestão de Newton Carneiro, nada fez, deixando os moradores à própria sorte. Somente dez anos depois foi construído pelo governo estadual um conjunto de casas na antiga Usina Jaboatão, destinadas aos desabrigados da cheia.

A cheia foi tão grande que muita gente acredita que não foi causada por fatores naturais, atribuindo o incidente a uma suposta represa que se rompeu, ou mesmo repetindo o Mito de que Tapacurá teria se rompido. Vale lembrar que Tapacurá faz parte da Bacia do Rio Capibaribe, portanto mesmo que a represa se abrisse, as águas atingiram o Recife e São Lourenço da Mata, mas não o rio Jaboatão que faz parte de uma bacia hidrográfica diferente.

sábado, 13 de abril de 2019

Bairro de Socorro - Jaboatão

Por James Davidson



As terras do atual bairro de Socorro faziam parte do antigo Engenho N.s do Socorro, levantado em terras desmembradas do antigo Engenho Velho, em meados do século XVIII. A primeira referência para a propriedade vem de um requerimento datado de 2 de junho de 1779, quando o seu proprietário, João Fernandes Rodrigues Queirós, solicita ao rei a demarcação e o tombamento de seu Engenho Nossa Senhora do Socorro, em Jaboatão.


Em meados do século XIX, o Engenho Socorro pertencia a Francisco de Paula Buarque. O Engenho Socorro era movido a animais, possuindo 31 escravos e produzindo 50 cargas de aguardente, 1000 canadas e 300 pães de açúcar. Possuía ainda uma ermida em ruínas, dedicada a Nossa Senhora do Socorro.


Em 1870, o Engenho estava sob a posse de Ignácio Cabral Cantanil. Na última década do Século XIX, quando o engenho pertencia a Joaquim Xavier Carneiro de Lacerda, ocorreu uma tentativa de transformar o Engenho Socorro num Engenho Central. No contrato celebrado em 1888, os proprietários de vários engenhos vizinhos se comprometiam em moer suas canas na propriedade. Por motivos ignorados pelas fontes, o empreendimento não chegou a ser efetivado.


 Com a construção da Estrada de Ferro Central de Pernambuco, a ferrovia atravessou as terras da propriedade, facilitando seu povoamento. No início do século XX, o governo constrói junto a sede do Engenho Socorro, a Escola de Agronomia de Pernambuco. Inaugurada pelo governador Herculano  Bandeira, em 7 de abril de 1911, funcionou até 1920, quando foi então transferida para São Bento do Tapacurá.


O Engenho já estava dividido em várias propriedades quando sua última proprietária, Josefa Carneiro Leão, vende o núcleo da propriedade para o Exército Brasileiro, em 1933. Surge assim o 29° Batalhão de Caçadores, atual 14° Batalhão de Infantaria Motorizada, que reaproveita as antigas edificações do engenho, como a casa-grande, para sediar o quartel. Até hoje existe a casa-grande do Engenho Socorro, modificada para sediar o comando do Quartel.


Poucos anos depois, na época do General Manoel Rabelo, são construídas casas para os militares. Surge a Vila Militar Floriano Peixoto, construída em meados da década de 1930, bem como a Escola Benjamim Constant, destinada a atender os filhos dos militares. Também são construídas na mesma época a Praça com o coreto, administrada pelo Exército, o Cine Floriano, dedicado a exibição de filmes para os militares e a Igreja do Perpétuo Socorro. Em 1935 é inaugurada a Estação Floriano Peixoto, na Estrada de Ferro Central de Pernambuco, para atender aos moradores locais. Hoje a antiga estação jaz em ruínas, ao lado da atual do metrô.


Além do quartel, na década de 1930, é criado no local o Convento Casa das Irmãs de Socorro - fundado em 1932. Em 1958 é fundado numa colina próxima à Estação o Colégio Normal da Vila Medalha Milagrosa, administrado inicialmente pelas irmãs, posteriormente repassado a prefeitura municipal. No ano de 2010 é demolido o prédio do Colégio Medalha Milagrosa, que por muitas décadas ensinou a várias gerações da comunidade local.

Além da escola, o convento fez construir, no cimo de um alto morro próximo, um monumento dedicado a Nossa Senhora das Graças. Sua inauguração ocorreu em 27 de novembro de 1950, com uma procissão vinda do Recife. Fazem parte ainda do bairro diversas comunidades, cuja história precisa ser melhor pesquisada, tais como a Vila Piedade, Quitandinha, Alto Santa Rosa, Alto dos índios, Retiro, etc.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

História do bairro de Engenho Velho

Por James Davidson


O bairro de Engenho Velho surgiu em terras do engenho de mesmo nome. O Engenho Velho era o primitivo Engenho Nossa Senhora da Guia que surge nas crônicas do período colonial, tendo sido levantado no final do século XVI. Durante o período da invasão holandesa ficou abandonado por muito tempo, restando apenas suas matas, pois seus proprietários fugiram para a Bahia com o advento do conflito.


 No século XVIII já estava funcionando novamente com a denominação de Engenho Velho. Em 1761 pertencia ao Padre Vasco Fernandes. No início do século XIX o engenho velho pertencia ao comendador José Francisco Pereira da Silva. Com a abertura da Estrada da Vitória, em 1836, passando pelas terras do Engenho Velho, os proprietários passam a aforar alguns terrenos às margens da estrada. Surgem assim algumas casas isoladas, embrião do atual bairro de Engenho Velho.


O Engenho Velho é arrendado em 1864 ao filho do proprietário, José Francisco Pereira da Silva Júnior. Com a morte do comendador, o Engenho Velho é vendido em 1876 por seus descendentes a José Antônio de Araújo, o Visconde do Livramento. Sua esposa, D. Maria Úrsula Moreira, Viscondessa do Livramento e seu marido tinham também uma casa na Passagem da Madalena. Mas sua presença na Cidade do Jaboatão seria marcante a ponto da casa-grande do Engenho Velho ficar conhecida como "Casa da Viscondessa".


 Com o falecimento do Visconde do Livramento, em 1886, a propriedade é herdada pela viúva, a Viscondessa do Livramento. A partir do final do século XIX e início do século XX, tem início o declínio da atividade agrícola na localidade, com a crescente expansão do núcleo urbano de Jaboatão, a chegada das ferrovias e a ascensão das usinas de açúcar em detrimento dos antigos engenhos bangues. O Engenho Velho encerra então suas atividades, sendo parte de suas terras loteadas na primeira metade do século XX. As demais foram adquiridas pela Fábrica Portela.

A casa da Viscondessa, porém, sobreviveria por mais algumas décadas. Em 1968 sediou o 1° Baile Municipal do Jaboatão, evento que contou com a participação de vários clubes sociais, como o Clube da Juventude, 13 de Maio, Inocentes do Rosarinho, Clube das Pás, entre outros. Todavia, apesar da importância histórica da casa de vivenda, a Industria Portela decidiu por abaixo o edifício, demolido em abril de 1977. Em seu lugar foi construída uma Vila de casas, a Vila da Cepasa, na Granja Santo Antônio, existente até hoje.

Além da antiga casa da Viscondessa, conta o bairro de Engenho Velho com outros edifícios de interesse histórico e social. A atual Escola Souza Brandão foi construída na antiga casa do Barão de Lucena, ex-presidente da província de Pernambuco e Juiz de Paz da Vila de Jaboatão, no século XIX. Adepto do abolicionismo, o Barão de Lucena teria papel importante na Abolição da Escravatura. Quando presidente da Câmara dos deputados, adiantou o processo de votação da Lei Áurea, ganhando com isso o título de Barão de Lucena, dado pela Princesa Isabel.Teve também destaque na vida social de Jaboatão, tendo sido criado o município do Jaboatão durante seu governo, quando governou a então província de Pernambuco, no ano de 1873.

Com mais de 4 séculos de história Jaboatão dos Guararapes não possui nenhum museu

 Por James Davidson Em 2017 tive a feliz oportunidade de ser o curador da Exposição "A pátria nasceu aqui" realizada pelo Shopping...