terça-feira, 29 de maio de 2018

História o bairro de Santo Aleixo

Por James Davidson


 Santo Aleixo é um dos bairros mais importantes e populosos de Jaboatão Centro. Localizado no setor norte do município, é atravessado pela antiga Estrada da Luz que dá acesso à BR 232. Apesar de importante e bem localizado, a localidade guarda alguns segredos sobre sua origem. Um deles é referente justamente ao seu nome, cuja origem vem de fonte incerta.


As terras do bairro pertenciam originalmente aos engenhos Duas Unas e Entre Rios. Seu desenvolvimento se iniciou a partir do ano de 1877 com a construção da "Estrada da Luz", ligando a Cidade do Jaboatão ao Povoado de Matriz da Luz, em São Lourenço da Mata. Várias procissões religiosas saiam da Cidade do Jaboatão para aquela localidade, vindo daí a denominação de Estrada da Luz que até hoje se mantém.


Foi justamente às margens da Estrada da Luz que surgiram as primeiras casas do bairro. Na última década do século XIX se registra a existência do "Arrabalde de Duas Unas", formado por casas na estrada surgida em terrenos aforados ao Engenho Duas Unas. Também vem desta época e do início do século XX a ocupação da Estrada de Entre Rios, fazendo surgir o "arrabalde" de mesmo nome. São dessa época as "Vilas", formadas inicialmente por uma única casa isolada, mas que depois se expandiam formando conjuntos de casas.


Com a expansão das Oficinas da Great Western, em 1910, o bairro ganhou incremento com a chegada de vários trabalhadores ferroviários que ali buscavam lugar onde morar. Não demorou a surgir então clubes culturais e agremiações recreativas, como o Clube Entre Rios, um dos mais tradicionais representantes do futebol jaboatonense do início do século XX. Muito tradicionais também era as festas juninas e de natal realizadas na comunidade, com decoração das ruas e apresentações de quadrilhas e pastoris.


Posteriormente, veio o povoamento das áreas adjacentes a Entre Rios: Alto Manoel de Sena, Alto São Benedito e Mundo Novo já estavam seguramente habitados na década de 1950. Outro loteamento importante surgiu ao lado da antiga Rua Santo Aleixo, continuação de Entre Rios. O Loteamento "Jardim Santo Aleixo" surgira com ruas de nomes de países: Chile, Uruguai, Argentina, etc, a partir da década de 1950. Destaque para a Venda de D. Neném que serviria de ponto de referência por vários anos estendendo seu nome para o local até hoje.


Também vale destacar a história religiosa da localidade. Em 2 de fevereiro de 1964 é lançada a pedra fundamental da Capela de São Pedro. Idealizada por José Martins dos Santos e por outras pessoas da localidade, só veio a ser finalmente inaugurada em 19 de julho de 1966. Recentemente recebeu uma ampliação, vindo a se tornar paróquia. Outro templo antigo da localidade é a congregação das Assembleias de Deus de Santo Aleixo, um dos primeiros a ser levantados no bairro. 


Atualmente, o bairro é um dos mais importantes e habitados de Jaboatão Centro, e vem entrando em fase de expansão na direção do vizinho bairro de Manassu e do Loteamento Duas Unas. Todavia, o bairro sofre com vários problemas urbanos e sociais. Um dos principais desses problemas são as inundações do Riacho Manassu que atravessa a parte baixa da região. Devido ao intenso assoreamento do curso d'água, os transbordamentos são constantes, causando transtornos para a população. Vários protestos e manifestações já foram feitas buscando solução para o problema, totalmente ignorados pelos podoeres públicos.





sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Engenho Duas Unas

Por James Davidson



Localizado em Jaboatão Centro, no bairro de Santo Aleixo, às margens da Estrada da Luz, o Engenho Duas Unas é o principal marco histórico da região. Sua denominação vem do Rio Duas Unas, que atravessa a localidade. O engenho chegou a funcionar como usina e a possuir até duas casas-grandes.


Levantado no final do século XVIII, em terras separadas do Engenho Goiabeira, Duas Unas aparece nas referências ora como Sítio, Propriedade ou Engenho, variando de acordo com a época. Em meados do século XIX pertencia a Amaro Pinheiro Bezerra da Palma que vende o engenho a João Hypólito de Meira Lima, em 13 de agosto de 1857. Em 187 pertencia a João Theotônio da Cunha.


No final do século XIX e início do século XX parte de suas terras é loteada, dando origem ao "arrabalde" de Duas Unas. Situado às margens da Estrada da Luz, foi o embrião do atual bairro de Santo Aleixo. Nos idos de 1910, chegou a existir no local uma sementeira de eucaliptos, que eram vendidos para várias regiões do estado.


A propriedade pertencia, pelos idos de 1920 e 1930, ao sr. Maximiamo Accioly Cavalcanti, casado com D. Leonita Rabelo Accioly Cavalcanti. Dos muitos membros dessa família surgiam os irmãos Flávio Campos e Maximiamo Accioly Campos, cronistas e escritores que teriam destaque na sociedade pernambucana em meados do século XX.


Da família Campos, Duas Unas passa para Francisco Fonseca Magalhães que transforma o engenho numa pequena usina. A "Engenhoca Duas Unas" era um meio-aparelho que, todavia, não sobreviveu muito tempo à concorrências das grandes usinas, passando depois a ser simples fornecedora de cana.


O cultivo de cana-de-açúcar sobreviveu até meados da década de 1990. Posteriormente as terras da propriedade passaram a ser loteadas, dando origem ao bairro de Duas Unas. Destaque para a torre de retransmissão da Embratel implantada no alto de um morro em 1975, donde se avista grande parte da paisagem do entorno. Atualmente a propriedade foi adquirida por terceiros e uma imensa terraplanagem vem sendo feita no local, cuja utilização não sabemos informar. Também não se sabe qual será o destino da secular casa-grande, construída em dois pavimentos, atualmente desocupada e sem uso. Esperamos que não tenha o mesmo destino de muitas outras casas de engenho do estado, destruídas sem a menor hesitação, apesar do seu valor histórico e cultural.

terça-feira, 24 de outubro de 2017