segunda-feira, 27 de abril de 2009

Ser ou não ser jaboatonense: eis a questão!

Por James Davidson



A cidade de Jaboatão dos Guararapes completa 416 anos de existência no dia 4 de maio deste ano de 2009. Fundada por Bento Luis de Figueirôa, proprietário do Engenho São João Batista (Bulhões) Jaboatão é uma das cidades mais antigas do país. Em sua homenagem fiz este texto que é na verdade uma reflexão.

Jaboatão dos Guararapes é conhecida como a cidade da Restauração por ter sido em suas terras que os luso-brasileiros venceram o invasor holandês, nas famosas Batalhas dos Guararapes. Assim, foi em Jaboatão onde nasceu o Exército Brasileiro e a identidade nacional. Mas Jaboatão não é só isso. Foi em Jaboatão que o Dr. Antonio de Moraes e Silva, no seu Engenho Novo da Muribeca, escreveu o 1° dicionário de língua portuguesa com verbetes brasileiras do nosso país. Foi no Engenho São Bartolomeu, em nosso município, que surgiu o bolo Souza Leão, patrimônio de Pernambuco e consagrado no famoso livro "Açúcar" de Gilberto Freyre. Foi nos engenhos Suassuna e Macujé onde, frequentados por Frei Caneca e outros revolucionários, que foram pensadas e planejadas as revoluções conhecidas como Revolução Pernambucana e a Confederação do Equador, tão importantes para a história do Brasil. Foi em Jaboatão onde Cleto Campelo, reunindo presos e revolucionários, partiu em busca da Coluna Prestes que estava no sertão de Pernambuco, em meados da década de 20.

Jaboatão teve grande participação na Guerra dos Mascates, Conspiração dos Suassuna, Revolução Praieira, Intentona Comunista de 35, entre outros movimentos importantes e significativos para a história de Pernambuco e do Brasil. Jaboatão é a terra de Natividade Saldanha, Benedito Cunha Melo, Amélia Brandão, Francisca Isidora, Paulo Freyre, José Gomes, Frei Jaboatão, Orlando Breno, Van-van, e tantos outros contribuíram para a história, as artes e a cultura do país.

Jaboatão possui um rico patrimônio histórico composto por igrejas antigas como a do Loreto e dos Prazeres; os Montes Guararapes, etc. Possui vários engenhos seculares como o Santana, o Suassuna e o Macujé. Possui reservas Florestais significativas como as de Salgadinho, Mussaíba, Manassu, Jangadinha e Gurjaú. Praias, cachoeiras e lagoas como a Lagoa Olho D'água que é a maior do estado de Pernambuco.

Contudo, apesar de tudo isso, o povo jaboatonense não se orgulha de sua terra. É comum as pessoas que moram em Jaboatão fazer questão de dizer que são de Recife quando estão fora. Diferente de quem mora no Cabo, em Paulista e até mesmo nossa vizinha Moreno, quem mora em Jaboatão quer esconder sua identidade! É como se ser jaboatonense fosse algo vergonhoso!

É de fato compreensível ter vergonha de um lugar tão esquecido e maltratado como é Jaboatão. Porém, se não valorizarmos nossa cidade, ela dificilmente irá mudar e melhorar. A falta de identidade da população contribui para a alienação política da população e, consequentemente, para a falta de fiscalização da mesma. É preciso amar para lutar por melhorias, é preciso amar para votar corretamente, é preciso amar para recuperar o que foi perdido, é preciso amar para poder mudar a realidade. Precisamos amar Jaboatão para que nossa querida cidade venha realmente mudar.

Para amar é preciso conhecer, pois isso queridos leitores do Jaboatão Redescoberto , conheçamos nossa cidade para podermos transformá-la numa cidade melhor!

sábado, 4 de abril de 2009

Engenho Macujé - Um patrimonio histórico que está à venda

Por James Davidson




Situado em terras jaboatonenses, próximo a Colônia dos Padres Salesianos, o Sítio onde está contido o Engenho Macujé está à venda, de acordo com o seu proprietário, o Sr Renê Montenegro.


Possuindo 15 hectares de área de sítio e estando a 6 km do Centro da cidade de Jaboatão, a propriedade é um interessante Engenho de cana-de-açúcar com uma história que ultrapassa vários séculos. Fundado em meados do século XVIII, por Ignácio da Cunha, o Engenho possuia um interessante conjunto de casa-grande e capela conjugados que, infelizmente, foram demolidos em 1918.



No lugar do antigo conjunto, foi construída uma nova casa-grande em estilo eclético, com um único pavimento e ornada com belos detalhes em suas fachadas. Essa casa-grande ficou um tempo abandonada e foi recuperada há pouco tempo pelo Sr Renê Montenegro que, além de restaurar o edifício, construiu uma nova capela no local, mobiliou a antiga casa com um rico e belo acervo de móveis e outras peças históricas e criou um açude na localidade.



Toda essa história e essa riqueza agora está à venda pelo Sr Renê Montenegro. A propriedade de 15 hectares fica a apenas 6 km do Centro de Jaboatão, tendo fácil acesso pelo caminho que leva a Colônia dos Padres. Além da já citada casa-grande mobiliada com antiquários, a propriedade inclui uma capela, casa do caseiro e um campo de futebol. Para o lazer a propriedade conta também com um açude criado com autorização da CPRH, um pequeno balneário com uma fonte, nascentes de riachos, uma pequena ilhota e uma imensa área de bosque com diversas fruteiras como bananeiras, mangueiras, jaqueiras, cajazeiras, entre outras. Há ainda um bueiro do antigo engenho datado de 1918 e as ruínas do antigo conjunto da capela e casa-grande. Tudo isso pronto para a visitação com preço a combinar com o proprietário pelo fone: (81) 94183586




É a mais nova promessa na rota do turismo rural!

15 anos da cheia de 2005

Por James Davidson Rio Jaboatão Fonte: Climatempo No dia 02 de junho de 2020 completam 15 anos de uma das maiores tragédias que atin...