Cocaia

Por James Davidson

Em defesa dos moradores naturais da região do porto de Suape, pescadores e coletores que serão praticamente expulsos de lá, por conta do "progresso" à custa do meio ambiente natural e social, fiz o seguinte poema:

Cocaia



Tudo está tranqüilo agora
Mas o que será amanhã?
O que farão aos caranguejos?
O que será dos manguezais?

Falam em progresso
Em um grande crescimento
Que vai gerar empregos
A crise diminuir

Mas esquecem que o porto
Nada fez pra melhorar
Pois a crise permanece
E a gente como está?

Os tubarões que nos atacam
São a voz da natureza
Que grita por socorro
Pelos mangues destruídos

Mas só falam no petróleo
E no emprego que vai gerar
Busca o mundo outras fontes
Enquanto nós na contramão!

Na Baía de Guanabara
O estrago foi enorme
E a gente que é tão pobre
Como é que vai ficar?

Se não houver mais caranguejos
De onde virá o meu sustento
Não haverá mais rendimento
Se o peixe então sumir.

Mas nos falam que é seguro
Que vai gerar muitos empregos
Mas agora eu tenho medo
Pois eu só sei pescar!

Nos falam muitas coisas
Mas não quero me enganar
Se o óleo então vazar
Me diz: Como é que a gente vai ficar?

Comentários

Adm disse…
Muito Bom seu Poema,
que Fala de Nossa situação de nossa Cidade,
sei que você é apaixonado por Jaboatão, gostaria de um Dia trocar uma ideia com você.

Postagens mais visitadas deste blog

A Antiga Prefeitura de Jaboatão

Meu apoio ao Ocupe Estelita!

O Túnel do Engenho Suassuna